A última obra de Van Gogh

0
591

Vincent Van Gogh morreu em 29 de julho de 1890. Embora tenha sofrido durante toda sua vida de doença mental e morreu tragicamente com a idade de 37 anos, Van Gogh criou mais de 2.000 obras de arte, uma conquista considerável para qualquer artista, e especialmente para um ativo por apenas uma década. Suas pinturas continuam exercendo uma influência poderosa na cultura contemporânea, no mercado de arte e em nossa imaginação sobre o próprio artista.

Nos últimos dois meses de sua vida, Van Gogh entrou em um dos seus períodos mais enérgicos e criativos, completando uma pintura por dia. Alguns dos fatores-chave para sua produtividade foram sua libertação do asilo em Saint-Remy e sua mudança para a pitoresca e restauradora vila de Auvers-sur-Oise, no norte da França.

Há uma crença de que o Campo de Trigos com Corvos seja o último quadro do pintor. Por causa do conteúdo da obra, “o céu ameaçador, os corvos e o caminho de um beco sem saída”, alguns acreditam que eles “se referem ao fim de sua vida se aproximando. Mas isso é apenas um mito. Ele possivelmente fez várias outras obras depois desta”. Talvez “Raízes da Árvore” ou “Jardim de Daubigny”  tenham sido suas últimas obras.

Van Gogh escreveu sobre a obra em uma carta para os seus irmãos:

“Então – uma vez de volta ao trabalho – o pincel, no entanto, quase caindo de minhas mãos e – sabendo claramente o que eu queria, pintara mais três telas grandes desde então. Eles são imensos trechos de campos de trigo sob céus turbulentos, e fiz com o objetivo de tentar expressar tristeza e solidão extrema. Vocês verão isso em breve, espero – pois espero trazê-los em Paris o mais rápido possível , já que quase acredito que essas telas vão te dizer o que não posso dizer em palavras, o que considero saudável e fortificante sobre o campo”

A obra é uma paisagem de um vilarejo perto de Paris, chamado Auvers-sur-Oise. Van Gogh viveu no local em seus três últimos meses de vida após ficar internado por um ano em uma instituição em Saint-Rémy. O pintor se mudou para o vilarejo para ficar mais perto de seu médico, o doutor Paul Gachet. O médico era homeopata e havia sido recomendado por Camille Pissarro.

Em Auver-sur-Oise, o pintor concebeu 77 obras, algumas de suas mais importantes, como A Igreja de Auvers e Retrato de Dr. Gachet. Há também obras inacabadas, como Fazenda Perto de Auvers!

 

Seus últimos trabalhos são extraordinários não apenas por sua cor intensa e pinceladas pesadas, mas também pela experimentação do artista com novos formatos de composição. Antes de Auvers, as composições paisagísticas de Van Gogh mediam 50 ou 60 cm quadrados, refletindo o tamanho de tela padrão fornecido pelos comerciantes de arte parisienses.

No entanto, em obras como Wheatfield Under Thunderclouds e Plain of Auvers, Van Gogh demonstra um instinto para experimentar. Para esses trabalhos posteriores ele juntou duas das telas para criar um painel de dois quadrados medindo quase três pés de largura (50 x 100 cm). Esse novo formato ampliou o escopo da composição de maneiras poderosas.

O campo de visão mais amplo certamente se adequava ao tema de Van Gogh: as famosas vastas planícies onduladas de Auver e os céus em constante mudança. Em Wheatfield Under Thunderclouds, os campos verdes e o céu azul parecem se estender muito além das bordas da imagem, criando um efeito panorâmico.

Matéria Por Paulo Varella – ArteRef

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here