O Cool Collective é um grupo de artistas convidados pela equipe curatorial da Photoarts com a intenção de desenvolver uma arte política e analítica.
A Arte do “Cool Collective” tem uma estética de atitude, comportamento, aparência e estilo. Por causa das conotações variadas bem como a sua natureza subjetiva, o nome do grupo não tem um significado único.
As obras produzidas pelo coletivo têm associações com quebras de paradigmas e os movimentos existencialista e pós-estruturalista.
Em sua maioria, as obras fazem uma paródia das das informações que são aceitas sem questionamento.

O Grupo usa uma linguagem universal, a arte.

Sweet Ophelia

Uma parodia do quadro de Sir John Everett Millais, Ophelia. O quadro Sweet Ophelia coloca a personagem de William Shakespeare em uma condição um pouco mais agradável, onde a personagem ao invés de se afogar cantando em um rio da Dinamarca, prefere simplesmente boiar e aproveitar a impecável paisagem pintada pelo artista. O conceito de que devemos levar a vida de uma forma mais suave é a temática principal desta parodia feita pelo Cool Collective.

A Happy American Gothic

A happy American gothic é uma critica a sociedade superficial. O coletivo Cool Colective pegou uma imagem iconográfica americana que dá fortes indicações de infelicidade. Atrás de uma solução dos sintomas, a sociedade americana se utiliza do Prozac, deixando as causas sem serem investigadas.

Série Misprint

É uma série de obras inspiradas na artista Hamra Abbas natural do Kuwait. O conceito infere na miscigenação das etnias e religiões. Utilizando as cores básicas da impressão ( ciano, amarelo e magenta) o Cool Collective mostra que sempre se pode aparecer novos tons através da combinação entre as cores. A diversificação produz um gamut de cores incríveis e uma sociedade mais evoluída.

Breaking Neck

É uma paródia do quadro de Gustav Klimt “Der Kuss”, O beijo. A forma com que o artista criou esta obra indica uma força e masculinidade desnecessárias. A pose da mulher com o pescoço retorcido e pés juntos nos dá aflição. Em uma conotação machista, a mulher deveria ficar imóvel e se subjugar à força masculina. Em uma sociedade igualitária, a reação a tal masculinidade seria a resistência e o protesto. Colocamos então a mulher demonstrando este desconforto pela situação e reclamando, como se o próximo passo fosse se levantar e sair de perto de tanta truculência.

OMG!

OMG é uma paródia da cultura pop art e o momento em que vivemos. Oh my god ! é uma expressão usada para as mensagens de texto, algo que não existia nos anos 60 e 70. O quadro é uma fusão de linguagens e tempos que, para os mais desavisados, se torna imperceptível.

Todas as coleções estão disponíveis no site da PhotoArts

www.photoarts.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here